Barack Obama é fortemente criticado por comentários sobre ‘hispânicos evangélicos que apoiam Trump’

Os comentários de Barack Hussein Obama a respeito dos hispânicos evangélicos que votaram no Presidente dos EUA, Donald Trump, estão causando forte reação de algumas pessoas, incluindo um senador dos EUA e o pastor que lidera a maior organização cristã hispânica do mundo.

Na quarta-feira (25), Obama apareceu no programa de rádio “The Breakfast Club” de Nova York. Durante a entrevista, ele falou sobre a eleição presidencial americana e trouxe à tona a vitória do Presidente Trump sobre o democrata Joe Biden em estados como Flórida e Texas, por causa dos votos de hispânicos evangélicos.

“As pessoas ficaram surpresas com muitos hispânicos que votaram em Trump, mas há muitos hispânicos evangélicos”, disse ele.

“O fato de Trump dizer coisas racistas sobre os mexicanos, ou colocar trabalhadores sem documentos em gaiolas, eles acham que é menos importante do que o fato de ele apoiar suas opiniões sobre o casamento gay ou o aborto”, disse Obama durante a entrevista.

As “gaiolas” das quais Obama se referiu foram construídas durante sua própria administração como cercos de arame para abrigar temporariamente imigrantes ilegais em instalações de fronteira, de acordo com a National Review e várias outras fontes.

O senador republicano de Missouri, Josh Hawley, disse que os comentários de Obama foram “condescendentes”.

“Ah, sim, aqueles evangélicos hispânicos. Tão ao contrário. Apegando-se a suas armas e religião, pode-se dizer. Barack Obama ainda é o liberal corporativo mais condescendente da América”, escreveu Hawley no Twitter.

Outro usuário também lembrou a Obama que foi ele, e não Trump, quem construiu as ‘gaiolas’.

“Ei, Barack Obama – dê uma pausa na provocação e no fuxico que construiu sua carreira e dividiu uma nação para refletir sobre isso: você construiu as instalações de arame que chama de ‘gaiolas’. #VocêContruiuAquilo #Levantar-sePelaAmérica”, escreve Chip Roy.

E outro usuário, chamado John Gage, comentou sobre como Obama tentou envergonhar os hispânicos evangélicos por votarem em Trump.

“Imagine se Romney tentasse envergonhar a classe trabalhadora branca depois de sua derrota em 2012. É exatamente o que Obama está fazendo aqui. Romney teria sido rejeitado com desprezo e deveríamos tratar [a tentativa de] Obama ao envergonhar [os hispânicos evangélicos por votarem em Trump] da mesma forma”, escreveu ele.

Os comentários de Obama também receberam uma resposta dura do Reverendo Samuel Rodriguez, Presidente da Conferência Nacional de Liderança Cristã Hispânica (NHCLC/CONEL). A organização representa mais de 42.000 igrejas nos Estados Unidos e muitas igrejas adicionais espalhadas por países de língua espanhola.

“Vou lhe dizer com o que não estou grato neste Dia de Ação de Graças: a crescente mesquinhez do Partido Democrata. O presidente Obama, a quem admiro, está aparentemente zangado porque os hispano-americanos têm ideias próprias. Como eu disse que em todas as oportunidades, não estamos – e não ficaremos – em dívida nem com o elefante [republicanos] nem com o burro [democratas]”, disse Rodriguez em um comunicado.

“Um exercício muito mais útil para o presidente Obama teria sido conduzir o Partido Democrata a uma humilde autorreflexão, em vez de avançar no caminho fundamentalista da política de exclusão de esquerda. O preconceito ainda é intolerância, mesmo que venha do presidente Obama”, continuou o reverendo.

“A questão é se o partido de Biden é diferente, ou se as demandas por conformidade estão sendo habilmente disfarçadas sob o disfarce de unidade nacional”, concluiu Rodriguez.

O post Barack Obama é fortemente criticado por comentários sobre ‘hispânicos evangélicos que apoiam Trump’ apareceu primeiro em Conexão Política.

DEIXE UM COMENTÁRIO