O Sargento do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal que roubou uma viatura em Ceilândia na madrugada deste domingo (3) – e foi interceptado a caminho do Congresso Nacional, após percorrer quase 30 quilômetros – pode pegar até 20 anos de prisão pelo caso.

Segundo o governo, ele vai responder por quatro crimes previstos no Código Penal Militar.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública informou que o militar de 44 anos foi preso em flagrante e enquadrado nos crimes de furto qualificado, desobediência, danos ao material da administração militar e tentativa de dano.

Apesar disso, segundo o governo, “não foram encontrados elementos que apontam para a caracterização de atentado terrorista”. O termo chegou a ser usado em comunicações informais da PM, ao longo da madrugada, mas foi descartado pela manhã.

Na mesma nota enviada pela Secretaria de Segurança, o Corpo de Bombeiros diz que as circunstâncias do caso “estão em apuração, sendo acionada também a Diretoria de Saúde e o Centro de Assistência da corporação para acompanhar o caso”.

Até as 16h, o sargento do Corpo de Bombeiros seguia detido no Núcleo de Custódia da corporação. Até a noite de segunda (4), ele deve passar por audiência de custódia na Justiça Militar – onde o juiz terá de decidir pela soltura ou pela prisão preventiva do bombeiro.

COMENTÁRIOS