Greve de caminhoneiros gera crise em Portugal e governo mobiliza militares

Caminhoneiros do país estão em greve e 40% dos postos não têm combustível, de acordo com jornal local. O aeroporto de Lisboa parou de receber combustível nesta quarta (17), segundo agência.

O governo de Portugal declarou, nesta terça (16), situação de alerta por conta da crise energética no país — provocada pela greve de transportadoras que começou na segunda-feira.

A medida permite ao governo mobilizar militares e forças de segurança para garantir o abastecimento. Segundo o jornal local “Público”, 40% dos postos estão sem combustível.

A declaração de alerta também obriga os motoristas de veículos pesados a ajudarem com o transporte de combustíveis, se forem solicitados pelas autoridades, e dá prioridade às forças de emergência e segurança na hora de reabastecer.

A greve, que começou na segunda e se prolongará por tempo indeterminado, de acordo com a EFE, foi convocada pelo Sindicato Nacional de Transportadoras de Mercadorias Perigosas.

O sindicato exige a criação de uma categoria profissional específica para estes trabalhadores. De acordo com o “Público”, todos os 800 motoristas do setor aderiram à paralisação.

Antes das medidas excepcionais, o governo português já havia aprovado, em conselho de ministros, a chamada “requisição civil” — um instrumento legal que permite “blindar” operações mínimas para garantir o funcionamento dos serviços essenciais.

Esse recurso só havia sido usado uma vez em cerca de três anos e meio do governo socialista de António Costa, durante uma greve de enfermeiros.

A justificativa, alegou o governo, era que os serviços mínimos decretados antes da greve não estavam sendo cumpridos. Milhares de veículos fizeram fila nos postos de gasolina de Lisboa que ainda têm combustível.

Segundo o “Público”, os “representantes dos motoristas e dos empregadores” começaram, na tarde de quarta (17), “a discutir com o Governo o alargamento dos serviços mínimos a todo o país”.

Aeroportos sem combustível

A greve das transportadoras está causando impacto especialmente nos aeroportos, entre eles o de Lisboa, que deixou de receber combustível no meio-dia desta quarta (17). O aeroporto de Faro, no sul do país, está utilizando as reservas de emergência desde a manhã de quarta.

A administração aeroportuária ANA admitiu que a situação poderia afetar as operações aéreas e, segundo meios de comunicação locais, vários aviões tiveram que realizar paradas em aeroportos espanhóis para reabastecer.


“Nos dois aeroportos, onde o fornecimento de combustível não foi garantido, atingimos níveis críticos de reservas de combustível para o reabastecimento de aeronaves”, disse o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, de acordo com a Reuters.


No final da tarde de terça (16), diz a EFE, um grupo de caminhões-pipa com combustível escoltado pelas autoridades saiu das instalações da Companhia Logística de Combustíveis (CLC), em Aveiras de Cima, a cerca de 60 km de Lisboa, em direção ao aeroporto da capital.

Amauricio Borba

Formado em Economia, Jornalismo e Ciências Políticas pela UNIVILLE – SC. Gaúcho de nascimento e catarinense de coração. Em defesa da ética, da liberdade de expressão e por um Brasil mais justo. Apaixonado por vendas é fundador do Jornal Expresso Diário
Amauricio Borba

DEIXE UM COMENTÁRIO