Greve dos “estudantes” não tem nada a ver com educação

Camisetas vermelhas, bandeiras de movimentos sociais e de partidos comunistas. Esse é o cenário das manifestações que estão acontecendo nesta quarta-feira (15) em vários estados do país. Estudantes paralisaram universidades para bater em um espantalho: o contigenciamento da verba para a educação anunciado pelo governo federal.

O que não está sendo veiculado pela “grande” mídia é o real objetivo dessa paralisação. Militantes esquerdistas convocaram a greve alegando que seriam amplamente prejudicados por um presidente fascista e disposto a evitar o progresso na educação.

A pauta dos “estudantes” é uma só: desestabilizar o governo Bolsonaro. Os gritos de Lula livre se sobrepõem a qualquer sussurro com o tema da educação.

Os estudantes que não estudam querem universidades bocas de fumo, palco de intervenções com nudez e baixaria. Para manter esse cenário caótico é necessário derrubar Bolsonaro e afastar qualquer possibilidade de que a ordem e o progresso prosperem na educação.

Amauricio Borba

Formado em Economia, Jornalismo e Ciências Políticas pela UNIVILLE – SC. Gaúcho de nascimento e catarinense de coração. Conservador de Direita sempre em defesa da ética, da liberdade de expressão e por um Brasil mais justo. Apaixonado por vendas é fundador do Jornal Expresso Diário
Amauricio Borba

DEIXE UM COMENTÁRIO