Incoerência da esquerda: No mundo real Marina Silva andou armada, no mundo ideológico, prega o desarmamento

Marina Silva, a eterna candidata, andou armada no mundo real, mas deixou esse mundo para trás e adotou a ideologia como modo de vida eleitoral

Marina Silva, aquele ser do nosso folclore que só aparece de quatro em quatro anos, atacou ferozmente o candidato Jair Bolsonaro no último debate por conta da discussão sobre armas de fogo. Disse ela: “Nós somos mães, nós educamos os nossos filhos.

A coisa que uma mãe mais quer é ver um filho sendo educado para ser um cidadão de bem. E você fica ensinando para os nossos jovens que eles têm de resolver as coisas na base do grito, Bolsonaro. Você é um deputado, você é pai de família. Você um dia desses pegou a mãozinha de uma criança e ensinou como é que se faz para atirar”.

Não é a primeira vez que a candidata se mostra francamente favorável ao desarmamento, ou melhor, favorável ao monopólio da força na mão do Estado. Marina, no entanto, parece ter esquecido sua própria vida e até mesmo a vida da sua mãe.

Em entrevista concedida ao UOL e publicada no dia 28 de maio deste ano, Marina afirmou:

“FUI SEMPRE MUITO PROTEGIDA. VENHO DE UMA FAMÍLIA DE MATRIARCAS, DE MULHERES FORTES. MINHA MÃE TINHA MEDO DE ABORDAGENS VIOLENTAS E ME FAZIA LEVAR UMA ESPINGARDA PARA O SERINGAL. MAS ERA UM PROBLEMA, PRIMEIRO PORQUE EU NÃO SABIA ATIRAR E DEPOIS, PORQUE A ESPINGARDA IA SEM CARTUCHO. [MARINA SORRI COM A LEMBRANÇA.] ERA UM SÍMBOLO.

Será que a mãe de Marina também achava que tudo se resolvia na violência? Parece-me óbvio que não, uma vez que nem munição havia na arma, possivelmente uma justa preocupação de que a filha – que nem mesmo sabia usar aquele instrumento – se ferisse ou ferisse outro de forma não intencional. Pensava Dona Maria Augusta em resolver os problemas de violência nos seringais? Também me parece óbvio que não. Só buscava algum tipo de proteção eficaz para a filha. Fico imaginando – pois só cabe imaginar – quantas vezes a simples presença dessa espingarda, levada às costas de uma menina, evitou algum tipo de violência e ataque.

NO FUNDO, O QUE MARINA FAZ É COLOCAR EM PROVA AQUILO QUE NÓS AFIRMAMOS: A SIMPLES PRESENÇA DE ARMAS EM MÃOS CORRETAS É INIBIDORA DA VIOLÊNCIA E DA CRIMINALIDADE, NÃO O CONTRÁRIO!

Será que Marina Silva, se eleita fosse, desarmaria os seringueiros? Os ribeirinhos? Os sertanejos? Se não, então ela reconhece a arma como instrumento necessário e eficaz para autodefesa? Gostaria muito que essas perguntas lhe fossem feitas durante um desses debates. O que responderá? Um plebiscito, como faz para escapar de se posicionar sobre a liberação das drogas e do aborto? Oras, mas a população já se posicionou sobre isso em 2005, caberia, então, à personagem bissexta respeitar tal decisão, mas sabemos que esse pessoal só respeita resultado favorável.

A candidata também erra, propositadamente ou não, por má-fé ou por ignorância, ao afirmar que armar a população é retirar do Estado a responsabilidade pela segurança. Não há que se falar em armar a população e sim em garantir o direito inalienável de autodefesa, sendo que a arma de fogo é o instrumento eficaz para isso. A escolha é única e exclusivamente do cidadão e aquele que optar pela defesa estatal de forma exclusiva será respeitado. Desejo boa sorte, vai precisar.

Em assim sendo, garantir esse direito não transfere a responsabilidade da segurança pública para o cidadão de forma nenhuma! O Estado continuará o responsável e deve ser cobrado por isso. Cabe agora à candidata, como para muitos outros, entender que Segurança Pública não visa garantir a segurança individual, 24 horas por dia, de milhões de brasileiros e estrangeiros que aqui residem ou transitam!

O ESTADO COMO GARANTIDOR EXCLUSIVO DA SEGURANÇA INDIVIDUAL É UMA FARSA TOTALITÁRIA E COLETIVISTA CRIADA EXATAMENTE PARA RESTRINGIR O INDIVÍDUO E DAR MAIS PODER AO JÁ GIGANTESCO LEVIATAN TUPINIQUIM.

Marina Silva, a eterna candidata, andou armada no mundo real, mas deixou esse mundo para trás e adotou a ideologia como modo de vida eleitoral. Largou a floresta onde, sim, armas são necessárias para sobrevivência, e passou a habitar, conscientemente ou não, aquele mundinho imaginário das mesas de bares do Leblon e da Vila Madalena, das redações dos grandes jornais, dos centros acadêmicos das universidades, onde sua própria mãe seria tachada de fascista que quer resolver tudo na bala, quiçá até de “Bolsominion”.

Bene Barbosa é especialista em segurança, escritor, presidente do Movimento Viva Brasil, palestrante e autor do best-seller Mentiram Para Mim Sobre o Desarmamento.

Redes sociais do colunista:

Twitter – Instagram – Facebook

GOSTOU DESTA NOTÍCIA? ENTÃO CURTA E COMPARTILHE, É GRÁTIS!

ASSINE O EXPRESSO DIÁRIO, É GRÁTIS

COMENTÁRIOS