Juiz que suspendeu investigação sobre Adélio também liberou funcionamento do Instituto Lula

O desembargador federal Néviton Guedes, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), concedeu nesta quinta-feira (28) mandado de segurança a pedido da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para suspender as investigações sobre os financiadores do advogado Zanone Manuel de Oliveira Júnior, defensor de Adélio Bispo de Oliveira, o homem que tentou matar Jair Bolsonaro.

Em 2017, Néviton derrubou a decisão do juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal, para permitir que o Instituto Lula voltasse a funcionar.

Na ocasião, o desembargador afirmou que a suspensão do Instituto Lula cercearia “a liberdade de ir e vir” do ex-presidente, uma vez que “estaria impedido de comparecer ao estabelecimento em que trabalha, por meio do qual aufere renda”.

O Instituto Lula continua funcionando até hoje, mas a “liberdade de ir e vir” de Lula foi “cerceada” pela cadeia.

O EXPRESSO DIÁRIO É UMA MÍDIA ALTERNATIVA CONSERVADORA PARA QUEM BUSCA INFORMAÇÕES PRECISAS E INTERPRETAÇÕES EQUILIBRADAS DOS PRINCIPAIS FATOS DO BRASIL E DO MUNDO. CURTA É GRÁTIS!

ASSINE O EXPRESSO DIÁRIO, É GRÁTIS

DEIXE UM COMENTÁRIO