A tramitação de processos criminais na segunda instância da Lava-Jato em Porto Alegre, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), ficou mais rápida.

A Corte será a responsável por definir se confirma ou não a condenação do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que recorreu em agosto.

Se condenado em segunda instância, Lula pode ser preso e impedido de concorrer às eleições presidenciais de 2018.

Com o acúmulo de processos e uma base de decisões precedentes, o TRF-4 intensificou nos últimos meses a quantidade de julgamentos da operação. Desde outubro, o período de trâmite diminuiu.

Foram julgadas cinco ações da Lava-Jato em um prazo de dez meses. De janeiro a outubro, a média de julgamento das ações foi de 14 meses e meio. Se considerarmos apenas novembro, foi de 7 meses.

COMENTÁRIOS