Potências europeias dão ultimato a regime Maduro

Madri, Paris, Berlim e Londres irão reconhecer oposicionista se eleições não forem convocadas em 8 dias

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Espanha, França, Alemanha e Reino Unido afirmaram neste sábado (26) que estão dispostos reconhecer o líder oposicionista venezuelano Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela caso o ditador Nicolás Maduro não convoque eleições no prazo de uma semana.

“O governo da Espanha dá a Nicolás Maduro oito dias para convocar eleições livres, transparentes e democráticas”, afirmou o premiê espanhol, Pedro Sánchez.

“Se isso não acontecer, a Espanha reconhecerá Juan Guaidó presidente interino responsável por convocar essas eleições.”

Foi o comunicado mais explícito de um país da União Europeia desde que Guaidó, que é presidente da Assembleia Nacional venezuelana, se proclamou presidente encarregado do país na quarta-feira (23).

O presidente francês, Emmanuel Macron, emitiu a mesma mensagem, mas se pronunciou nas redes sociais, assim como o chanceler britânico, Jeremy Hunt, e uma porta-voz do governo alemão.

“O povo venezuelano deve poder decidir livremente seu futuro. A menos que eleições sejam anunciadas dentro de oito dias, estaremos prontos para reconhecer Juan Guaidó como ‘presidente encarregado’ da Venezuela, de modo a dar início a um processo político”, afirmou Macron em um tuíte.

VEJA TAMBÉM:  Contrariando a China, Donald Trump quebra tabu e fala com Taiwan

Guaidó se declarou presidente durante uma manifestação que reuniu milhares de pessoas em Caracas para protestar contra Maduro. No mesmo dia, ele foi reconhecido pelo governo dos Estados Unidos, do Brasil e de outros 12 países da região.

A declaração do premiê espanhol aconteceu após dias de negociações para estabelecer uma posição comum na União Europeia que pressionasse Maduro a convocar eleições.

Os países membros, no entanto, não conseguiram um acordo na sexta para uma declaração tão explícita como desejava Madri.

Depois de alguns dias de silêncio e pressionado pela oposição de direita na Espanha, Sánchez, que conversou por telefone na quinta com o o líder opositor.

“A todo momento, a Espanha liderou a posição da União Europeia favorável à democracia e à liberdade. E nós fazemos isso em coerência com o nosso relacionamento especial e com a nossa responsabilidade como membro da comunidade ibero-americana”, declarou.

“Nós não buscamos colocar ou remover governos na Venezuela. Queremos democracia e eleições livres na Venezuela”, insistiu.

Os EUA tentariam neste sábado fazer com que o Conselho de Segurança da ONU aprove uma resolução que expresse total apoio à Assembleia Nacional venezuelana como a “única instituição eleita democraticamente eleita” no país.

VEJA TAMBÉM:  Falta de alimentos leva venezuelanos a comer carne para cachorro e ração de galinha

No entanto, a Rússia, que tem poder de veto no conselho e é um dos principais aliados do regime venezuelano, já afirmou que vai bloquear qualquer medida contrária ao regime de Maduro. Declarações do conselho são aprovadas por consenso.

Antes mesmo de o rascunho da resolução ter circulado, o embaixador da Rússia junto à ONU disse, na sexta, que “isso não irá passar”. Para nós, nada muda”, afirmou.

A reunião foi convocada a pedido dos EUA. Além do secretário de Estado americano, Mike Pompeo, o chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, e diversos outros ministros devem se pronunciar.

Antes da reunião, um rascunho da resolução foi divulgada. “Como as condições na República da Venezuela continuam a se deteriorar, o Conselho de Segurança expressa seu apoio total à Assembleia Nacional como a única instituição eleita democraticamente no país”.

Uma aprovação da resolução implicaria no reconhecimento tácito de Guaidó como chefe de Estado da Venezuela.

A declaração pede ainda “o início imediato de um processo político que leve a eleições livres e justas com observação eleitoral internacional no mínimo prazo possível”.

VEJA TAMBÉM:  Maduro suspendeu hoje o porte de armas para Venezuelanos

GOSTOU DESTA NOTÍCIA? ENTÃO CURTA E COMPARTILHE, É GRÁTIS!

ASSINE O EXPRESSO DIÁRIO, É GRÁTIS

DEIXE UM COMENTÁRIO