Drogas: Senado aprova relatório que libera uso e cultivo da maconha

O projeto libera o cultivo da droga para fins medicinais, tanto por parte de núcleos científicos e médicos quanto por parte de pacientes e familiares

No último dia 28, avançou no Senado a descriminalização do cultivo de maconha para uso pessoal de fins terapêuticos.

O texto de um relatório favorável à medida foi aprovado na Comissão de Assuntos Sociais da Casa, mas ainda falta passar na Comissão de Constituição e Justiça e seguir para a Câmara. [1]

O relatório assinado pela senadora Marta Suplicy (MDB-SP), permite a importação de plantas e sementes, o plantio, a cultura e a colheita da maconha “exclusivamente para fins medicinais ou científicos, em local e prazo determinados, mediante fiscalização”.

Associações de pacientes e familiares de pacientes também poderiam praticar o cultivo e a colheita, mas apenas em quantidade suficiente para o tratamento.

Outra proposta, que autorizaria o cultivo da cannabis por instituições de ensino e pesquisa, foi rejeitada por já haver autorização para essa modalidade de uso.

Para Marta Suplicy, o tema não pode ser relegado à dimensão política e ideológica, porque a maconha é útil no combate a enfermidades como autismo, epilepsia, alzheimer, doença de Parkinson, dores crônicas e neuropatias.

Os senadores Eduardo Amorim (PSDB-SE) e Sergio Petecão (PSD-AC) foram os únicos votos contrários.

O primeiro argumentou: “Se com a maconha proibida o estado já não consegue erradicar as plantações ilegais, com a maconha parcialmente liberada, será inviável fiscalizar as lavouras e, ainda por cima, distinguir o que é ilícito do que é lícito”.

Amauricio Borba

Formado em Economia, Jornalismo e Ciências Políticas pela UNIVILLE – SC. Gaúcho de nascimento e catarinense de coração. Em defesa da ética, da liberdade de expressão e por um Brasil mais justo. Apaixonado por vendas é fundador do Jornal Expresso Diário
Amauricio Borba

DEIXE UM COMENTÁRIO