Esquizofrenia Social

Vivemos numa época em que querem que os padres se casem e que os casados se divorciem.

Querem que os heterossexuais tenham relações sem compromisso, mas que os gays se casem pela igreja.

Que as mulheres tenham corpos masculinizados, se coloquem como homens e assumam papéis masculinos.

Querem que os homens se tornem “frágeis” e delicados e se comportem como se fossem mulheres.

Uma criança com apenas cinco ou seis anos de vida tem o direito de decidir se será homem ou mulher para o resto da sua vida, mas um menor de dezoito anos não pode responder pelos seus crimes.

Não há vagas para os pacientes nos hospitais, mas incentiva-se que se financie quem quer fazer mudança de sexo.

Existe um acompanhamento psicológico gratuito para quem deseja deixar a heterossexualidade e viver a homossexualidade, mas não há nenhum apoio deste mesmo para quem deseja sair da homossexualidade e viver a sua heterossexualidade e se tentarem fazê-lo, é um crime.

Ser a favor da família e da religião é uma ditadura, mas urinar sobre os crucifixos, perturbar igrejas é liberdade de expressão.

Se não é o fim dos tempos, deve ser o ensaio…

Amauricio Borba

Formado em Economia, Jornalismo e Ciências Políticas pela UNIVILLE – SC. Gaúcho de nascimento e catarinense de coração. Conservador de Direita sempre em defesa da ética, da liberdade de expressão e por um Brasil mais justo. Apaixonado por vendas é fundador do Jornal Expresso Diário
Amauricio Borba

DEIXE UM COMENTÁRIO