Bolsonaro rebate Macron

Presidente eleito diz que é necessário cautela para acordos comerciais e sugere que não assumirá compromissos ambientais em detrimento do agronegócio. Líder francês vinculou pacto com Mercosul ao Acordo de Paris

414

Em resposta ao presidente da França, Emmanuel Macron, que vinculou o apoio de seu governo ao tratado comercial entre União Europeia (UE) e Mercosul ao cumprimento do Acordo de Paris, o presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (30/11) que não assumirá compromissos ambientais que prejudiquem o agronegócio brasileiro.

“O Macron está defendendo a França. Esse acordo do Mercosul com a União Europeia atinge interesses da França, um país voltado também para o agronegócio. A partir do momento que querem diminuir a quantidade de exportáveis nossos, essas commodities, logicamente que não podem contar com o nosso apoio”, afirmou Bolsonaro, durante um evento de formatura de sargentos da Força Aérea em Guaratinguetá, no interior de São Paulo.

O presidente eleito disse que está disposto a negociar o pacto, mas que é necessário ter cautela antes de assinar acordos comerciais com outros países. “Conversei com o futuro ministro [das Relações Exteriores], ele nos recomendou ter um pouco mais de prudência para que o Brasil não perca mercado aí fora”, destacou.

Bolsonaro também reiterou que fará mudanças na política ambiental. “O que nós queremos é uma política ambiental para preservar o meio ambiente, mas não de forma xiita como é feito atualmente. Vamos acabar com a indústria da multa nesse setor”.

Na quinta-feira, Macron declarou que o tratado comercial entre UE e Mercosul depende da posição de Bolsonaro sobre o Acordo de Paris, um esforço internacional conjunto para combater a elevação das temperaturas globais.

“Não podemos pedir aos agricultores e trabalhadores franceses que mudem seus hábitos de produção para liderar a transição ecológica e assinar acordos comerciais com países que não fazem o mesmo”, destacou.

Logo depois da declaração do presidente francês, Bolsonaro declarou em sua conta no Twitter que o Brasil não iria se sujeitar a interesses de outras nações. “É legítimo que países no mundo defendam seus interesses, e estaremos dispostos a dialogar sempre, mas defenderemos os interesses do Brasil e dos brasileiros”, disse.

Há quase 20 anos, a UE e o Mercosul negociam o acordo com base em três pilares – o diálogo político, a cooperação e o livre-comércio. Com a eleição de Bolsonaro, no entanto, esse pacto parece estar cada vez mais distante, uma vez que sua equipe já deu sinais de que o bloco sul-americano não será prioridade.

GOSTOU DESTA NOTÍCIA? ENTÃO CURTA E COMPARTILHE, É GRÁTIS! ISSO NOS MOTIVA A CRIAR MAIS CONTEÚDO DE QUALIDADE PARA VOCÊ!

ASSINE O EXPRESSO DIÁRIO, É GRÁTIS

COMENTÁRIOS