Jovem marcada com suástica no RS será indiciada por falso testemunho

Foram analisados 23 traços no corpo da jovem. Em alguns deles, a perícia diz que corresponderam a “arranhões”. — Foto: Reprodução
Foram analisados 23 traços no corpo da jovem. Em alguns deles, a perícia diz que corresponderam a “arranhões”. — Foto: Reprodução

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul concluiu que os cortes em forma de suástica feitos em uma jovem que disse ter sido atacada na rua, há duas semanas, em Porto Alegre, é um caso de “autolesão”. Segundo o delegado Paulo Sérgio Jardim, há indícios de automutilação ou de que tenham sido feitos de forma consentida. A jovem será indiciada por falso testemunho.

O laudo técnico da Polícia Civil conclui que “pode se afirmar com convicção que as lesões produzidas na vítima não são compatíveis com as que seriam esperadas, na hipótese de ter havido efetiva resistência da parte dela à ação de um agente agressor”.

De acordo com o documento, nº 155.470/2018, durante o exame de corpo de delito feito na jovem, não foram encontradas “lesões na face ou nas mãos e nos antebraços que sejam caracteríticas de autodefesa”. O laudo afirma ainda que a inscrição foi feita de maneira “superficial”, feitas em “regiões do corpo facilmente acessíveis às mãos da própria vítima” e que “apresentam padrão de paralelismo e ortogonalidade que demandaram cuidado na produção”.

Foram analisados 23 traços no corpo da jovem. Em alguns deles, a perícia diz que corresponderam a “arranhões”. — Foto: Reprodução
Foram analisados 23 traços no corpo da jovem. Em alguns deles, a perícia diz que corresponderam a “arranhões”. — Foto: Reprodução0

“Para que a força empregada ao se produzirem as lesões não provocasse dano desmedido e acabasse atravessar integralmenete a pele, o que acabaria por provocar um corte, isto é, um ferimento inciso, é condição necessária que o agente produtor dessas lesões tenha tido bastante habilidade e cuidado ao executar os movimentos que originaram as inscrições relatadas, bem como que ele tenha tido tempo adequado para produzir as lesões e, idealmente, um ambiente propício”, diz o laudo.

Logo após o primeiro turno das eleições, uma jovem de 19 anos, moradora de Porto Alegre, registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil por lesão corporal na noite de segunda-feira, 8. Segundo o relato feito aos policiais, ela teria sido abordada por três homens e agredida por possuir adesivos LGBT colados na mochila.

De acordo com a versão contada à época pela jovem, após diversas ofensas e ameaças, um trio a rendeu e marcou o corpo dela com a marca nazista. Quatro dias depois, ela teria desistido da ação “por questões emocionais”.

Para Polícia Civil, há indícios de autolesão ou de que as marcas tenham sido feitos de forma consentida Foto: Reprodução/Laudo/Polícia Civil
Para Polícia Civil, há indícios de autolesão ou de que as marcas tenham sido feitos de forma consentida Foto: Reprodução/Laudo/Polícia Civil

GOSTOU DESTA NOTÍCIA? ENTÃO CURTA E COMPARTILHE, É GRÁTIS!

ASSINE O EXPRESSO DIÁRIO, É GRÁTIS

COMENTÁRIOS